Fé e devoção na festa do padroeiro de Camaçari

Na foto com o ex-prefeito Caetano

 

 

Fé, crença, devoção, tradição. Um misto de sentimentos levou milhares de pessoas às ruas de Camaçari, em homenagem ao padroeiro da Diocese de Camaçari São Thomaz de Cantuária. Iniciada, às 18h, o bispo começou a missa com agradecimento, sinalizando a importância de relembrar das bênçãos alcançadas, não se esquecendo de dar a glória a Deus. Lembrou ainda que o padroeiro se chamava São Thomaz Becket, como pode ser visto na apresentação da história do santo mais abaixo.
Após a missa, houve apresentação de show musical com bandas cristãs que animaram os participantes da festa. As bandas Obra de Deus e Só Louvores, além de uma quermesse com barracas de doces, salgados, bebidas e artigos católicos fizeram a alegria dos fieis. Segundo informações policiais, cerca de 3 mil pessoas acompanharam a procissão. No entanto na Praça Desembargador Montenegro cerca de 5 mil cristãos assistiam a missa. A deputada Luiza Maia aproveitou para agradecer pelo ano produtivo. " Foi um 2013 cheio de trabalho e de muitas vitórias no nosso mandato, então é preciso vir aqui celebrar, agradecer às bençãos e renovar a fé pra esse ano que está começando. Essa é um evento que abre o calendário de festas populares na Bahia", diz Maia. 

 

HISTÓRIA

São Thomaz foi chanceler do rei Henrique II e tornou-se bispo da Igreja Católica da cidade inglesa de Canterrboy, que em português significa Cantuária. A igreja recebeu o nome do religioso porque entre os anos 20 e 30, o casal britânico Thomaz e Tomázia, que trabalhavam nas obras de construção da linha férrea de Camaçari, doou o terreno à Igreja Católica.

Em 1966, o arcebispo emérito do Rio de Janeiro, Dom Eugênio de Araújo Sales, funda a paróquia de São Thomaz. Depois, a instituição se desmembra em mais três paróquias compostas pelas igrejas Senhora Sant’Ana, no bairro Gleba A, São Thomé, no bairro Gleba E e São Bento, em Monte Gordo.

Até esta época, o padroeiro de Camaçari era São Miguel, já que o Município era distrito de Vila de Abrantes. Após a emancipação política, cada localidade teve autonomia para nomeação do próprio padroeiro.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*