Produtora de frutas orgânicas assina protocolo de intenções com SDE

Empreendimento vai se instalar na Chapada Diamantina e prevê faturamento anual de R$ 100 mi

Adepta da alimentação equilibrada, a secretária Luiza Maia, titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do estado (SDE), assinou protocolo de intenções com a empresa Bioenergia Orgânicos, nesta sexta-feira (29), para instalação de uma processadora de frutas orgânicas no município de Lençóis, na região da Chapada Diamantina. O investimento da empresa é de R$ 20 milhões, com perspectiva de empregar até 2 mil pessoas, de forma direta e indireta, no auge da sua capacidade. O faturamento anual estimado é de R$ 100 milhões.

Assinatura do protocolo. | Foto: Marcelo Ferrão

“Espero que produzam muito e ajudem nossa economia a crescer. A Bahia e o Brasil precisam disto. Aproveito para destacar a preocupação da empresa com as práticas orgânicas. Até mesmo o adubo usado nas árvores frutíferas provêm de gado criado de forma orgânica pela empresa”, disse.

Além dos pormenores técnicos, Oswaldo Araújo, um dos sócios da empresa, entende por condições ideais os conceitos básicos que definem a Bionergia: fruticultura orgânica, sustentabilidade, respeito ao meio ambiente e inclusão social: “Tínhamos em mente um local em que fosse mais fácil desenvolver práticas sustentáveis e de inclusão social e onde não houvesse a prática da produção com agrotóxicos; encontramos isso na Chapada”.  A certificação orgânica, segundo ele, será feita pelo instituto IBD.

Foto: Marcelo Ferrão

A Bioenergia adquiriu 3,5 mil hectares de terra no distrito de Tanquinho e pretende preservar 50% da área, 30% a mais que a obrigação legal, utilizando a água do Rio Santo Antônio, afluente do Paraguassu. Ela produzirá parte da matéria prima a ser processada, mas contará também com uma rede de produtores da agricultura familiar que receberão qualificação e mudas. A empresa comprará deles até 100% do que colherem. Há um projeto para incluir produtores de mais de 30 municípios do entorno. Atualmente, grande parte dos trabalhadores são oriundos das comunidades quilombolas de região.

Outro diferencial da empresa é o desperdício zero. As partes da fruta desprezadas no processamento serão destinadas à fabricação de subprodutos absorvidos pela indústria de fármacos, cosméticos e outras. Há planos futuros para aumentar a variedade de frutas e destiná-las ao mercado de forma in natura.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*