Embasa passa a operar o sistema de esgotamento sanitário

A implantação do esgotamento sanitário na orla de Camaçari passa por um momento de transição. É que, conforme vai concluindo a obra, a empresa responsável pela implantação da rede de esgoto passa o sistema para a Embasa (Empresa Baiana de Água e Saneamento S.A), responsável pela operação da rede.

No momento, acontece a lavagem do sistema de esgoto para que seja retirada toda a sujeira do local. O próximo passo é a ligação nas residências. Essa primeira etapa atende as localidades de Barra do Pojuca, Itacimirim, Monte Gordo e Guarajuba.

De acordo com o secretário da Infraestrutura (Seinfra) do Município, Everaldo Siqueira, foi concluída a implantação da rede de esgotamento em Monte Gordo (14.790 metros) e Itacimirim (15 mil metros), além da obra da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), localizada em Barra do Pojuca.

Em Guarajuba, está previsto a implantação de 20.681 metros e até o momento foram executados 15.061 metros, 73% do total. Por conta do solo e do relevo em Barra do Pojuca, dos 8.337 metros previstos, foram realizados 2.287, o que equivale a 35% do planejado.

Na orla, o investimento é de R$ 25,5 milhões. A obra é custeada pelo Governo do Estado.

SEDE

Na sede de Camaçari, a implantação já foi concluída. No momento, acontece a construção da rede até a Cetrel, local onde será tratado o esgoto da sede do Município. Após isso, a Embasa recebe o sistema e passa a operá-lo.

As três elevatórias do esgotamento da sede da cidade já estão prontas e foram instaladas na rua Paranapanema, no bairro dos 46 e, a elevatória geral, na rua do Toco, na Gleba E. A obra faz parte do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), e representa investimento de R$ 80 milhões do governo federal.

A implantação do esgotamento sanitário é a obra mais importante da história de Camaçari e traz inúmeros benefícios para a população e o meio ambiente, pois evita a contaminação do solo, rios e córregos, além de diminuir o gasto com saúde pública no tratamento de doenças que são transmitidas pela água contaminada.
 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*