Exclusivo: bastidores da diplomação do governador, senadores e deputados eleitos

Em cerimônia realizada ontem (16/12) a partir das 19h, no salão Yemanjá do Centro de Convenções, foram diplomados os políticos que exercerão os cargos de governador, senador, deputado federal e deputado estadual nos próximos quatro anos, a contar de 1º de janeiro de 2011.

O evento, cujo acesso foi restrito e quase tão disputado como a festa “vip” promovida pelo governador Wagner no Palácio de Ondina, era para ter caráter solene. Porém, o que predominou no ambiente foi a descontração, a alegria – na maioria dos casos – e o forte assédio da imprensa. Os cumprimentos e entrevistas “fora de hora” fizeram, inclusive, com que o mestre de cerimônias pedisse, por inúmeras vezes, a cooperação dos parlamentares.

 

A resposta do público presente no Salão ao nome de cada político foi um termômetro do prestígio de cada um. A regra era essa: se está cotado para assumir secretaria ou cargo importante, maior era a salva de palmas. Se bem que alguns dos eleitos organizaram torcidas, com direito a gritos histéricos e até palavras de ordem. Que o digam Claudio Cajado (DEM) e Graça Pimenta (PR).

Seguindo esta lógica, os mais aplaudidos foram, no grupo dos deputados federais, Mario Negromonte (provável ministro da Integração Nacional), Nelson Pelegrino (nome forte para disputar a Prefeitura de Salvador em 2012), João Leão (ex-secretário estadual de Infraestrutura) e Rui Costa (braço direito do governador).

Entre os deputados estaduais, os destaques foram Marcelo Nilo (ao que tudo indica presidente reeleito da Assembléia Legislativa), Luiza Maia (cotada, embora negue, para assumir a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social), Marcelino Galo (ex-diretor do Incra) e Cacá Leão (herdeiro do deputado federal João Leão).

No geral, a diplomação pareceu uma festa das forças políticas que elegeram a “chapa majoritária-senatória” encabeçada pelo governador Wagner, da qual ainda fizeram parte o sorridente Oto Alencar, Walter Pinheiro e Lídice da Mata, talvez a figura mais ovacionada da noite.

Caetano – O prefeito de Camaçari acompanhou a “solenidade” ao lado da esposa, a deputada eleita Luiza Maia (PT), e foi – também – saudado com destaque. Cercado por jornalistas, foi sondado insistentemente sobre os nomes que irão compor o secretariado de Wagner. No seu bom estilo “escorregadio”, se limitou a dizer: “quanto mais se revela, mais mela”, se referindo ao sigilo tão necessário às articulações políticas.

  

Figuras e figurantes da diplomação dos eleitos

 

À francesa

ACM Neto, campeão de votos da eleição para deputado federal, foi um dos mais assediados pela imprensa. Todos queriam saber se realmente deixará o DEM. Ele desconversou, não afirmou nada e disse que ainda está analisando. Quando acabou a diplomação, deu um nó nos repórteres e saiu à francesa.

 

Militar de Cristo

O deputado estadual eleito Pastor Sargento Isidório (PSB) compareceu a solenidade vestido de militar. Até aí tudo bem. Mas o político também ostentava uma enorme bíblia na mão. Quando foi convidado para receber o diploma, ao invés de apertar a mão dos membros da corte do Tribunal Regional Eleitoral, bateu continência para cada um deles.

 

Risada pura

Oto Alencar, vice-governador eleito, também bateu continência para o Pastor Sargento Isidório. Oto deu boas gargalhadas com o parlamentar que promete ser o mais polêmico da próxima legislatura. E olha que experiência nisso Isidoro já tem. Na época em que foi deputado pelo PT, apresentou um projeto para “a cura do homosexualismo”.

 

Sem moral

Em solenidade de eleitos, suplente não tem moral. O ex-pugilista Popó (PR), Emiliano José (PT) e Sérgio Carneiro (PT), que não compareceu, são alguns dos “reservas” da lista de deputados federais. Mas se alguém der bobeira, eles assumem.

 

Alegria de Brasileiro dura pouco

Carlos Brasileiro, ex-prefeito de Senhor do Bonfim, foi da glória ao inferno em pouco mais de 30 minutos. Foi diplomado deputado estadual pelo TRE, mas meia hora depois recebeu a indigesta notícia de que foi sublevado à condição de suplente. É que o PSB pediu recontagem dos votos da coligação e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu que Capitão Tadeu (PSB) ficará com a vaga que “pertencia” a Brasileiro. Ainda cabe recurso.

 

Maternal

Muita gente admirou o gesto do deputado estadual Bira Corôa, que levou a mãe, dona Beatriz, como convidada especial para a solenidade de diplomação. Depois da “festa”, o petista foi logo se despedindo: “tenho que ir porque minha mãe deve estar cansada”.
 

 

Camaçari Notícias
 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*