Levantamento aponta que mulher chefia 30% dos lares

Segundo o estudo do Data Popular, a tendência em todo o Brasil é de que mais mulheres da classe C estudem e se tornem chefes de família (Foto: Kid Júnior
Segundo o estudo do Data Popular, a tendência em todo o Brasil é de que mais mulheres da classe C estudem e se tornem chefes de família (Foto: Kid Júnior

Levantamento do Data Popular revelou que as mulheres brasileiras da classe C estudam mais que seus pais e apresentam maior interesse pelo mercado de trabalho que as pertencentes ao topo da pirâmide social.

Quanto menor o rendimento delas maior o percentual das que são chefe de famílias. Neste perfil – que foi mapeado nas regiões metropolitanas do País – também se encaixam as trabalhadoras de Fortaleza, segundo Renato Meirelles, sócio-diretor do Instituto, especializado em baixa renda no Brasil.

Na sua opinião, “as trabalhadoras da classe C serão as que dominarão o mercado de trabalho, as famílias e consequentemente, o consumo nos próximos anos”. Na Capital cearense, 30,6% das Mulheres que ganham entre quatro e 10 salários mínimos (perfil de classe C) são chefes de família.

Entre as que têm rendimento mensal entre dois e quatro mínimos (classe D), 33,2% são responsáveis pelo sustento da casa. As Mulheres da Capital cearense com ganhos de até dois mínimos (nível social E) representam 42,9% e estão assumindo as despesas da família.

Na classe A-1(rendimentos acima de 45 salários mínimos), 18,2% das Mulheres fortalezenses são chefes de família e na A2 (ganhos entre 25 e 45 mínimos), o percentual é de 22,2%.

Escolaridade

A pesquisa do Instituto Data Popular apontou que, hoje 51,3%, ou seja, 96 milhões da população brasileira é feminina e 80,6 milhões estão na classe C, D e E . De um modo geral, elas já detêm escolaridade superior a dos homens. Também é cada vez mais difícil distinguir a diferença de preparo entre as novas trabalhadoras das classes C, B e A. Nos dias atuais, as médias de tempo de escola são 12,7 anos na classe A, 10,5 anos na B, 7,7 anos para C, mas isso tende a mudar. Quanto maior a idade das mulheres, menor a diferença entre a escolaridade nos diversos níveis sociais. “No Brasil, 30% dos domicílios são chefiados por mulheres. Entre as classes A-B, 25% da renda familiar vem de mulheres, já na classe C, os rendimentos femininos representam 40%”, afirma Renato Meirelles, sócio diretor do Data Popular e responsável pela análise. “É como se a classe AB estivesse voltando para casa e a classe C saindo para trabalhar”, constata o especialista.

Considerando as jovens Mulheres da classe C, 68,1% já possuem escolaridade maior que a mãe. As Mulheres com algum tipo de atividade remunerada nas classes AB representam 1,1 milhão. A tendência que se vê na realidade brasileira é que com a universalização do ensino médio e o aumento de jovens no ensino superior, mais Mulheres da classe C estudem e se tornem chefes de família. Cerca de 18 milhões de Mulheres brasileiras, isto é, 31%, têm menos de 20 anos. “Isso significa que existe um grande potencial para que essas pessoas, nas próximas décadas, se transformem em consumidoras mais bem informadas e, portanto mais exigentes – o que determinará os novos rumos do mercado em muitos dos seus segmentos e também na comunicação publicitária”, argumenta Meirelles.

Entre as Mulheres de 18 a 25 anos da classe C, em comparação com a geração dos pais, já é nítida a mudança que está ocorrendo. Um percentual de 58,9% faz mais pesquisas de preço antes de comprar; 59,6% são mais estressadas; 70,3% mais interessadas em política; 72% tem menos tempo para se dedicar à família; 79,2% são mais vaidosas e 91,7% declararam ser mais consumistas.

Data Popular

Criado em 2002, o Instituto Data Popular surgiu para produzir conhecimento de qualidade sobre o mercado popular no País. A empresa é especialista no desenvolvimento de pesquisas e análises para entender como funciona o mercado de baixa renda. Seus estudos avaliam a relação deste público com produtos e marcas para descobrir qual a melhor forma de se comunicar com uma camada da população que movimenta cerca de R$ 620 bilhões por ano em consumo de bens e serviços.

Perfil da mulher

80 milhões de Mulheres pertencem às classes C, D e E

10% das Mulheres de classe C estudaram mais que seus pais

25% do total da renda da classe A vem da mulher

41% do total da renda da classe C é de responsabilidade feminina

70,3% das Mulheres entre 18 e 25 anos estão mais interessadas em política

58,9% delas fazem mais pesquisa de preço

72% das Mulheres tem menos tempo para se dedicar à família

Diário do Nordeste

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*