Luiza defende “democracia direta” na reforma política

A reforma política, um dos assuntos polêmicos da atualidade, foi tema de debate – na última sexta-feira (01/04) – na UniJorge, uma das maiores faculdades particulares de Salvador. Na ocasião, a deputada estadual Luiza Maia (PT), que compôs a mesa oficial do evento ao lado dos congressistas ACM Neto (DEM) e Antonio Imbassahy (PSDB), defendeu a adoção de instrumentos de "democracia direta", a exemplo de plebiscitos e referendos, como ponto fundamental das mudanças que serão feitas no processo político-eleitoral.

Segundo a petista, para implantar o voto facultativo no país ainda é necessário percorrer um caminho de médio prazo. "Neste momento histórico, o voto facultativo serviria aos interesses dos conservadores", argumentou.

Na opinião dela, assim como ocorreu na Constituinte, é necessário incluir de fato os movimentos sociais no debate sobre a reforma política, “sob o risco, inclusive, de se reduzir drasticamente a participação das chamadas minorias nas esferas de poder”.

A parlamentar concluiu dizendo que não defende sucessivas reeleições para cargos proporcionais. "É necessário estabelecer um teto para isso", finalizou.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*