Lula indica Roberto Gurgel para procurador-geral da República

FOTO: Fachada da Procuradoria Geral da União
FOTO: Fachada da Procuradoria Geral da União

O presidente Lula indicou nesta segunda-feira (29) o procurador Roberto Monteiro Gurgel Santos para o cargo de procurador-geral da República.

Roberto Gurgel tem 54 anos e é o atual vice-procurador-geral da República. Apontado como uma continuidade para a gestão de Antonio Fernando de Souza, o nome de Roberto Gurgel ainda terá de ser aprovado no Senado.

Para realizar a escolha, Lula se baseou na lista tríplice entregue pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) ao Planalto. Nesta lista, Gurgel recebeu 482 votos. Por sua vez, o procurador Wagner Gonçalves teve 429. Já a procuradora Ela Wiecko contou com 314.

PERFIL

Gurgel ocupará o cargo até 2011, podendo ser reconduzido pelo próximo presidente da República por mais dois anos. Ele exerceria também o cargo de procurador-geral nas eleições do ano que vem nos julgamentos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a presidência do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Gurgel entrou no Ministério Público em 1982. Como vice-procurador, já substituiu Antonio Fernando de Souza em vários julgamentos do Supremo Tribunal Federal (STF) e do TSE. Tem a vantagem, portanto, de já transitar bem entre os ministros das duas cortes.

Assim como o atual procurador, Gurgel já afirmou que não se deve esperar dele reações públicas radicais diante de críticas ao trabalho do Ministério Público, como as feitas recentemente pelo presidente do STF, Gilmar Mendes, especialmente após a Operação Satiagraha da Polícia Federal. “Algumas vezes parece que se quer ouvir os gritos do Ministério Público. Jamais ouvirão os meus gritos. Ouvirão uma voz firme e serena”, afirmou nesta semana em debate com outros cinco dos seis candidatos.

Em entrevista ao Estado, Gurgel afirmou considerar que as críticas recentes são uma “demonstração muito eloquente de que a instituição funciona bem” e por isso estaria incomodando “setores poderosos da sociedade”.

Rodolfo Torres da Agência Congresso em Foco

Com informações do Estadão.com.br

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*